sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Porteira

O amor é árvore viçosa e firme no chão do deserto? Ou vento que chove e duna um mar de areias secas? O que tive de minha mãe era forte e frutífero como a seiva do seu peito, o sisal do seu ventre e o jenipapeiro no cerrado do seu abraço. O que tive desse cabra era disperso, pronto para voar sobre açudes, correr a galope o vento barroso na anunciação da estiagem. (...) O amor é água e é barro; vento para secar o barro e a água para molhar o barro; barro para encher de água e acalmar a sede; água para ficar de pé e caminhar por um chão, um chão de barro, um chão de recomeço passado do pai até o filho; é um silencioso e infinito sertão visto pelas frestas de uma meditativa porteira.

Um comentário: